Extreme Programming Refactored PDF

Please forward this error screen to extreme Programming Refactored PDF-1071802190. Please forward this error screen to host.


Författare: Don Rosenberg.
"Extreme Programming Refactored: The Case Against XP" is meant to provide an independent look at Extreme Programming. It is meant to cut through the marketing hype of Extreme Programming and expose a number of weaknesses with this approach to software development. It tries to draw a distinction between true "agility" in a software process and "fragility" inherent in techniques such as oral documentation.
Extreme Programming (XP) is a consummate mix of good goals, some good advice, and lots of bad advice. The goals and the good advice draw people in; the bad advice can potentially cause projects to fail. The XPers' theory is that when applied together, this mixture of rules will somehow magically be safe. XP therefore represents a high-risk process, wrapped in a "feel-good" methodology. The marketing, hype, and earnest self-assurance of its authors will convince many project leaders to try out XP on their next project.
In "Extreme Programming Refactored: The Case Against XP" into a more viable process, Rosenberg and Stephens are not attempting to define a new methodology, as there are plenty of those in the World already. Instead, they will be examining XP in the context of existing methodologies and processes such as RUP, ICONIX, Spiral, RAD, DSDM, etc – and showing how XP goals can be achieved using these existing processes (with a slight emphasis on RUP and ICONIX), using software wisdom that has been tried and proven to work again and again.

Método ágil é uma expressão que define um conjunto de metodologias utilizadas no desenvolvimento de software. Existem inúmeros frameworks de processos para desenvolvimento de software. A maioria dos métodos ágeis tenta minimizar o risco pelo desenvolvimento do software em curtos períodos, chamados de iteração, os quais gastam tipicamente menos de uma semana a até quatro. Métodos ágeis enfatizam comunicações em tempo real, preferencialmente cara a cara, a documentos escritos. A maioria dos componentes de um grupo ágil deve estar agrupada em uma sala.

Métodos ágeis também enfatizam o software funcional como uma medida primária de progresso. Combinado com a comunicação cara-a-cara, métodos ágeis produzem pouca documentação em relação a outros métodos, sendo este um dos pontos que podem ser considerados negativos. Projetos surgem através de indivíduos motivados, entre os quais existe relação de confiança. Os patrocinadores, desenvolvedores e usuários devem ser capazes para manter um ritmo constante indefinidamente.

Em intervalos regulares, a equipe reflete sobre como para tornar-se mais eficaz, então sintoniza e ajusta seu comportamento apropriadamente. As definições modernas de desenvolvimento de software ágil evoluíram a partir da metade de 1990 como parte de uma reação contra métodos „pesados“, caracterizados por uma pesada regulamentação, regimentação e micro gerenciamento usado o modelo em cascata para desenvolvimento. Uma visão que levou ao desenvolvimento de métodos ágeis e iterativos era retorno a prática de desenvolvimento vistas nos primórdios da história do desenvolvimento de software . Inicialmente, métodos ágeis eram conhecidos como métodos leves. Em 2001, membros proeminentes da comunidade se reuniram em Snowbird e adotaram o nome métodos ágeis, tendo publicado o Manifesto ágil, documento que reúne os princípios e práticas desta metodologia de desenvolvimento. Métodos Ágeis são algumas vezes caracterizados como o oposto de metodologias guiadas pelo planejamento ou disciplinadas.

Uma distinção mais acurada é dizer que os métodos existem em um contínuo do adaptativo até o preditivo. Métodos ágeis existem do lado adaptativo deste contínuo. Métodos adaptativos buscam a adaptação rápida a mudanças da realidade. Quando uma necessidade de um projeto muda, uma equipe adaptativa mudará também. Um time adaptativo terá dificuldade em descrever o que irá acontecer no futuro. O que acontecerá em uma data futura é um item de difícil predição para um método adaptativo. Uma equipe adaptativa pode relatar quais tarefas se iniciarão na próxima semana.

This entry was posted in Ratgeber. Bookmark the permalink.